janeiro 19, 2015

Heróis anónimos do dia a dia


Bom dia, sapinhos do meu kokoro :)

Não vou perder tempo a desculpar-me por ainda não ter respondido aos vossos comentários, já devem estar habituados, mas só relembrando, quem comentou postagens mais antigas e nunca chegou a ver a resposta já pode fazê-lo. Sem resposta nunca deixo ninguém, mesmo que demoooore bastante. 

Hoje sim, farei a postagem que já andava a planear há algum tempo, e que é sobre um assunto que me toca pessoalmente. Mais adiante descobrirão porquê. Esta postagem, heróis anónimos do dia-a-dia - sublinho o anónimos - não se destina a falar de pessoas que fazem donativos monetários e não só, ou de associações, que são certamente importantes, mas sempre são reconhecidas. Falarei sim de pessoas que são verdadeiramente heróicas e que muitas vezes são até desprezadas pela sociedade, consideradas burras, pouco conscientes, maluquinhas - afinal, são raras as pessoas que hoje em dia se sacrificam por outros seres vivos, sejam da espécie que forem.

É a isto que me refiro
O mais irónico de tudo é que, se essas pessoas heróicas se tornassem famosas de um dia para o outro, quem as desprezou até então provavalmente mudaria de lado. Começaria a tentar aparecer na televisão anunciando que sim, toda aquela dedicação por outras vidas merecia reconhecimento e devia ser tomada como exemplo, ou diriam que sempre viram a pessoa a esforçar-se e até ficavam impressionadas. É um bocado triste, mas é verdade. Quem é que não gosta de ficar bem na fotografia?

Ah, mas deixem-me voltar ao assunto. O leque de pessoas a que me refiro é ENORME, discreto e será impossível citar toda a gente, mas aqui vão alguns exemplos: bombeiros, que realmente sacrificam a vida em prol dos outros; professores, não só por nos transmitirem conhecimento que abrirá imensas portas no futuro, mas porque muitos deles têm de viajar para longe da família para terem emprego e andam ali a, em muitos casos, "aturar" os filhos dos outros; empregadas domésticas que realmente dão o seu melhor na casa em que trabalham, mesmo sabendo que são facilmente substituíveis; pessoas que, a caminho do trabalho, numa rua qualquer, param para ajudar alguém ou algum animal; Façam o que fizerem, com a frequência que for, as boas intenções já são admiráveis, mais ainda porque a maior parte das pessoas é capaz de passar por algo que pode ser remediado e nem fazem caso.

Este post será pessoal, em grande medida, mas é porque um dos maiores exemplos que conheço de heróis - ou neste caso, heroínas - é a minha mãe. Algumas pessoas provavelmente acham que eu a apoio tanto e me esforço tanto por ela porque é mãe, e a) ou eu lhe devo algum tipo de obediência b) ou me deixo moldar por ela. Mas até agora nunca encontrei ninguém assim, e é por ela fazer coisas tão incríveis no dia a dia que eu quero compensar de alguma maneira. 

Aliás, a minha mãe merecia uma bibliografia, e mais de metade dela seria preenchida com episódios sobre animais, mas comecemos com as coisas que não envolvem animais.


Antes de tudo, a minha mãe trocou um carro por uma bicicleta. Esse é realmente o único meio de transporte dela, e essa atitude foi bastante corajosa E sábia. Não gasta dinheiro em combustível, não polui, faz desporto, e consegue fazer tudo na mesma. Há pessoas que adoram andar de bicicleta, mas costuma ser para passear, ou para treinar resistência, velocidade... (aptidões físicas, em suma). Mas se calhar, para se deslocarem a algum lado que nem fica muito longe, vão de carro. É até ridículo, mas vou tentar concentrar-me na minha mãe. Vocês nunca viram como é que ela vai às compras, certo? Ela chega extremamente carregada, tem sacas penduradas no guiador, sacas nos braços, sacas nos alforges - e não são nada leves! Isto porque ela tem imensos animais e pessoas para alimentar aqui em casa, e tudo se gasta (ou estraga, no caso de objetos) com uma rapidez impressionante. Mesmo quando está a chover, a minha mãe vai a todo o lado. Mesmo quando já está cansada e já fez imensas viagens durante o dia, a minha mãe ainda vai a mais algum sítio qualquer. Uma coisa positiva: ao andar de bicicleta, ela conheceu muitas pessoas e lugares, e já não é raro ela passar por alguém que nem sequer conhece (já presenciei isso muitas vezes) e essa pessoa exclamar: "Oh, é a senhora que anda sempre de bicicleta!". É muito engraçado ver como a escolha dela está a dar frutos, e só quem a vê no dia a dia é que entende que ela não está a passear. Claro, também há essa vantagem, mas normalmente ela sai de casa com algum objetivo em mente. 

A minha mãe participa em projetos e ajuda em quintas como voluntariado - a quinta da Mitra, aqui no porto, é um dos lugares onde ela mais vai. E, embora nós não tenhamos grandes possibilidades económicas, é raro eu ver a minha mãe a choramingar. Pelo contrário, ela está sempre a dar coisas aos outros: vai a festas e leva coisas para comer, faz artesanato e dá os seus trabalhos, em vez de os vender... Em troca de quê? Muitas vezes, apenas de convívio, de reforçar amizades, que talvez não sejam coisas lucrativas mas são sem dúvida gratificantes e imprescindíveis. É algo que eu admiro imenso, e que espero imitar à minha maneira.

Ah, e agora vamos aos episódios com animais. Prontos?

Para quem não sabe, tenho 10 animais em casa - se não contar com as tartarugas, então tenho 8, 6 gatas e 2 cadelas. Com exceção da primeira e terceira gata, todos os animais que aqui estão não foram trazidos por "Own, que fofinho, quero mais um gatinho! *.* " ou whatever, mas para lhes salvar a vida. Aliás, desde a terceira gata que andamos a dizer que não traríamos mais animal nenhum, e afinal... acabamos nisto. Claro que gostamos deles, mas tanta bicharada num apartamento é um belo de um inferno. Para melhor ou para pior, a minha mãe não tem a insensibilidade que algumas pessoas têm para passar por animais que estão a morrer e deixá-los a sofrer. E para que conste, o problema não é a morte, é mesmo o sofrimento.

Acho que as 3 últimas gatas foram os exemplos mais drásticos. A Mia era horrorosa de tão suja, mais pequena que a minha mão, tinha-se perdido da família e vinha tão faminta, que mal a trouxemos ela até queria comer a areia do caixote. Já agora, de cada vez que trazemos um animal da rua a casa fica infestada de pulgas, e essa gata tinha pulgas para uma dezena de animais. Estivemos quase 2 anos a tentar "purificar" a casa, e quando conseguimos... veio outra gata. A Pokémon, que também era muito pequena e se escondia numas tocas à beira da praia, provavelmente morreria de fome e de frio quando chegasse o inverno, para não dizer que ela corria o risco de ser atropelada na rua lá perto. Para a apanhar, a minha mãe ficou horas a tentar fazê-la sair da toca, e teve de se agachar muitas vezes - os condutores dos carros até paravam a olhar, idiotas. Quando finalmente conseguiu apanhá-la, foi outro filme para a trazer até casa. Com uma mão conduziu a bicicleta, com a outra agarrava a gata. Se fosse preciso travar ou se a gata fugisse, provavelmente haveria um acidente. Já a Memé estava a morrer numa rua por onde passavam IMENSAS pessoas, nós estávamos a caminho de um local que já não recordo e pensamos: "Com tanta gente a passar por aqui, alguém acabará por salvar a gata." Horas depois, no caminho de regresso, a gata ainda lá estava, porque provavelmente toda a gente pensou que não tinha possibilidades para cuidar de um único gatinho. Nós que já temos tantos animais é que tínhamos, certo? (agora a sério, se toda a gente tomasse conta de um animal abandonado, nós não precisaríamos de ficar com tantos). Trouxemos a gata, que estava ainda em pior estado do que nos parecia: quase a ser devorada por formigas, a estorricar ao sol, e tão magra que se sentiam as costelas - até tínhamos medo de as partir. Começou a recuperar depressa, mas depois voltou a ficar doente e mal se mexia. A minha mãe levou-a ao veterinário, que disse que a gata ia morrer NAQUELE PRECISO DIA, pois era fraca de mais até para ser tratada. Perguntou se a minha mãe não queria dar-lhe uma injeção para morrer, mas a minha mãe não teve coragem - se era para morrer, mais valia que morresse no conforto da nossa casa. Em casa, a minha mãe passou horas a tirar pulgas à gata, a dar-lhe atenção, e depois... a gata levantou-se. No dia seguinte, já estava quase curada. Eu não acreditaria em milagres, mas à quantidade que já vi acontecer diante de mim e às expressões aparvalhadas que já fiz, acabei por deixar de ser céptica. Claro que a gata também deve ter feito um esforço imenso, mas bastou-lhe conseguir passar daquele dia e começar a comer e a fazer as coisas por si própria para recuperar, e agora - embora ela vá ser sempre a nossa gata mais fraca - é até das mais brincalhonas. 


Pode parecer estúpido, mas eu acho que a minha mãe consegue curar os animais com a força de vontade (e tudo o que faz por eles). Se é reiki ou não e até que ponto isso funciona, eu não vou questionar, mas eis mais algumas provas. Uma vez, quando a minha mãe ainda trabalhava numa fábrica, encontrou um pássaro aparentemente morto e levou-o para o trabalho escondido na roupa. Fartou-se de esfregar o pássaro, para tentar aquecê-lo, e algumas horas depois... err, digamos que as colegas de trabalho dela e o patrão se assustaram a ver um pássaro sair disparado a voar. E mais ainda quando a minha mãe tentou abrir as janelas todas para ver se o pássaro parava de bater contra os vidros >.< Uma outra vez, num acampamento há alguns anos (eu ainda não era nascida), foi uma história parecida com um gato, que lá acabou por se levantar. Claro que eles não estavam realmente mortos, mas estavam bem perto, e já ninguém faria nada por eles. Mas a minha mãe fez, e salvou bastantes vidas.

Histórias menos recentes: Uma vez, polícias levaram cães vadios que nunca fizeram mal a ninguém para quilómetros do local onde sempre moraram, e quando a minha mãe foi aflita relatar o desaparecimento à polícia, eles ainda se riram dela - claro, foram eles que levaram os cães. E SEMANAS depois, os cães voltaram, quase a morrer de cansaço, para onde a minha mãe estava, e os polícias até julgavam que tinha sido ela a ir buscá-los, pois supostamente era impossível eles voltarem. Mas ela não sabia onde é que eles estavam, portanto não poderiam culpá-la. Depois lá acabaram por contar a verdade à minha mãe. Uma outra vez, uma cadela teve uma ninhada e escondeu os filhotes à beira de uma igreja, e o padre queria matá-los por afirmar que eram "filhos do demónio" e todas essas parvoíces. Claro, a minha mãe passou-se. Disse que ela é que era um demónio e fez umas quantas ameaças (nem sei como é que não lhe correu mal) para o padre não matar os cães até ela conseguir arranjar um dono a todos. E a verdade é que conseguiu dá-los mesmo, até um homem do estrangeiro veio buscar um dos cães.

E há muitas mais histórias! Como quando a minha mãe leva comida nos alforges para dar aos animais enquanto anda de bicicleta à beira da praia... ou como quando, no outro dia, encontramos um gato morto no caminho, também num sítio por onde passam imensas pessoas, e um idiota ainda teve a lata de o dizer que estava lá há dias - estava lá há DIAS, e ninguém foi capaz de o trazer para dentro de casa e lhe dar de comer, ou pelo menos de o levar ao veterinário?! Se calhar tinha sido atropelado e só morreu ali, de fome e de frio, por não conseguir andar. Se calhar até poderia recuperar, e ficou a sofrer horas porque ninguém faz nada quando devem ser tomadas atitudes. Essa insensibilidade realmente revolta-me, e muito, mas há sempre boas notícias: Uma vez, estava eu, a minha irmã e a minha mãe a sair do pingo doce (não sei se existe aí no brasil, desculpem a ignorância, mas é um supermercado) e encontramos um papagaio (?) numa árvore (?!) enquanto estávamos a lanchar (?!?!). Isso mesmo! A minha mãe começou a bater a todas as portas que via à frente para ver se alguém queria ficar com o papagaio, isto depois do filme que foi conseguir apanhá-lo, e tivemos sorte de encontrar depressa alguém que o quisesse. O senhor que ficou com ele - encontramo-lo mais tarde - contou-nos que o papagaio estava doente e que o entregou a uma instituição.

Para que conste, a minha mãe não é burra. Ela nunca faria tanto por pessoas parvas, e sim, eu acho que existem pessoas parvas. Seja por serem maldosas, oportunistas ou o que for, nós defendemos que quem não se esforça por fazer algo que preste na vida também não merece que lhes sejam concedidas vontades. 

Humm... se calhar exagerei no tamanho da postagem. Mas para quem gosta de histórias bizarras ~Hina-clone ;) ~ e com finais felizes (ou nem tanto), suponho que não seja algo muito difícil de digerir. Além disso, acho que a minha mãe merecia algum reconhecimento, e que este post pode fazer refletir bastantes pessoas.

P.S: Não tive vontade de rever o que escrevi. Desculpem qualquer erro :)

17 comentários:

  1. Nossa, muito bonito tudo que você falou neste post, estou impressionada ♥
    Realmente, são mesmo heróis aqueles que resgatam os animais, é uma pena que não existam tantas pessoas com corações bons como o seu que pensam dessa forma
    -Kissus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem, porque a ideia é mesmo impressionar as pessoas e levá-las a fazer um pouco mais pelos outros :) Não só ajudando animais, mas dando o nosso melhor por cada pequena coisa e fazendo tudo o estiver ao nosso alcance para melhorar o mundo e trazer-lhe um bocado mais de felicidade. Jaa!

      Eliminar
  2. Bom, eu li toda a sua postagem, SHUAHUSHAS' Enfim =] você tem 10 animais? Bom, eu tenho mais de 20 HAUSHUAHS' sério, eu criava 4 cachorros (CRIAVA, porque eles morreram de velhice mermo kkk' Ç-Ç) e uma gata (morreu também, ninguém sabe porque ela morreu, quando encontrei ela, já estava podre! tinha se passado 3 dias, fiquei meio mal, mas também não podia ficar paradona lá, né?) e também cuido de um beta, um bodó e 26 piranhas, cuidava de 3 jabutis, mas na época, tinha 5 anos e não tinha responsabilidade nenhuma, HUE' meu pai deu para o amigo dele -q. e sem falar nas inúmeras baratas e grilos que tem aqui dentro de casa, sou totalmente contra a matar insetos, sério! Bom, não sou dessas de falar, cuido de vários peixinhos, até porque cada um pra mim tem uma existência específica :3

    Bom, vendo essa história da sua mãe, me deu uma baita vontade de conhecer ela, sério ^^' Até porque eu amo cada um dos animais, menos lesma, mas enfim ò_ó bom, eu cultivo algumas plantas e também crio 4 cactos, não são animais, mas tem um significado para mim ♥ São plantas, mas também são vivas ù_ú Bom, com certeza, temos de salvar os animais (ou de um modo mais simples: salvar cada um de nós, né? Porque eles também fazem parte deste mundo, ou estou errada? o.O)

    Naka Pyon! | 中ピョン! [clique e visite]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haha, se eu contar com as aranhase bichos que aparecem cá por casa, então tenho mais de 10 >.< Eu só estava a considerar animais grandes. Não sei o que são jabutis, se calhar o nome só existe no brasil, manda-me uma foto do animal? Pedido estranho, deixe lá, se quiser ;) Mas realmente, isso são MUITOS animais. Eu também sou contra matar insetos, embora faça de tudo para os mandar para longe de casa (há uma espécie de quintal perto de minha casa, o normal é atirá-los para lá). Peixes já não me interessam muito, e também não são o tipo de ser vivo que se encontra pela rua para se poder socorrer. Ah, também adoramos plantas, eu e a minha mãe! Eu só contei os episódios com animais porque eles são mais comuns de se ver sofrer, e está ao alcance de quase toda a gente ajudá-los. E tal como você disse, devemos salvar cada um de nós, ajudar nem que seja com pouco, porque esse pouco pode fazer toda a diferença na vida de alguém. Fico feliz por você compreender :)

      Eliminar
    2. Jabuti é a versão "terrestre" de "tartaruga". AHSUHAUHS' >.<

      [Naka Pyon!] - Visite!

      Eliminar
  3. Yoooo belezura!?
    ADOREI O POST >////////<, realmente nada melhor do que uma boa história bizarra com um final feliz para alegrar o dia, mas antes de começar a comentar sobre a sua heroína.....Você tem uma gata chamada Pokémon!? Quem deu esse nome!? *-* Adorei ele! (deveria ter colocado ele na minha cadelinha!).
    Enfim, a proposta da bicicleta é sensacional, aliás, nas metrópoles aqui do Brasil esta se tornando um hábito largar o carro e andar de bicicleta para o trabalho, desse modo evitam o trânsito e ainda fazem um belo passeio. Mas como a minha mãe trabalha com vendas de casas e coisas do tipo sempre tem que estar levando clientes para lá e para cá para mostrar os imóveis, então uma bicicleta ficaria meio difícil. Já o meu pai pega uma barca para ir ao trabalho e o resto do caminho vai andando mesmo.
    Sobre seus animais, não surgiu nenhum problema com os vizinhos por causa deles!? Porque pelo menos aqui a primeira coisa que dá treta em apartamentos e condomínios são os animais, é bem difícil deixarem ter um quando se está morando em apartamento =/
    Enfim, sobre os atos heroicos da sua mãe....ADOREI TODOS ELES \O/, por alguma razão achei isso tão a cara dela, ela parece ser uma pessoa com umas ideias bem inovadoras e mirabolantes! Aqui em casa ouve poucos casos em que encontramos algum animal debilitado, acho que foram apenas três vezes: Primeiro eu e minha prima achamos um passarinho sendo devorado por formigas, mas como éramos pequenas e não sabíamos o que fazer chamamos nosso vô para ajudar o bichinho, porém já era tarde demais Ç.Ç, a outra vez encontramos caído no nosso pátio um gavião (acredito que filhote), mas não tivemos tanta sorte assim, ele até que se recuperou um pouco, porém não resistiu e por fim teve uma época que apareceu uma cadelinha lá em casa a minha tia curtiu ela e resolveu leva-la para a casa, agora ela tá um baita cachorro toda grandona e musculosa, sendo que na época ela era bem nanica e fraquinha.
    Sobre o padre, eu sinceramente não sei se rio com o que ele disse ou se compro uma passagem para Portugal para dar uma voadora nele! Sério quem diabos hoje em dia fala um negócio desses!? Esse padre tá tão ridículo quanto um cara que disse que não podia jogar futebol porque significava que estariam chutando a cabeça de Cristo '-' (falaram isso para uma colega de trabalho da minha mãe '-').
    Bem, a minha mãe não sai resgatando animais e nem participa oficialmente de instituições, mas sempre vejo ela ajudando quando pode, vive dando carona para quem precisa, ou então quando temos condições vamos aos correios pegar cartinhas de crianças mais carentes para presenteá-las com o que elas pediram, fazíamos isso frequentemente quando estávamos melhor financeiramente, mas mesmo assim ela continua ajudando no que pode, hoje em dia sempre quando possível doa roupas, cobertores e alimento, o problema é que alguns familiares olham isso como sendo uma parte meio bobinha dela ou ingênua (principalmente na parte da carona), eu acho que não há problemas nisso, pelo contrário fico feliz vendo coisas desse tipo, ela e o meu pai sempre se esforçaram bastante, mesmo em épocas em que o meu pai estava desempregado ele nos levava para passear, nos dava presentinhos e até festas de aniversário (é claro que tudo mais simples e talls), sempre quando conseguiam davam uma força para quem precisava, e é por ver todo esse esforço deles que também desejo muito poder ajuda-los ^^
    Ah, sobre o mercado Pingo Doce, eu não tenho certeza se tem ou não aqui no Brasil, pelo menos na região onde eu moro não tem, mas talvez mais para cima do país tenha.
    Enfim, sua mãe é uma figura mesmo!
    Kiss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afzzz tô a tempos para falar desse seu lay e sempre me esqueço!
      Enfim, ADOREI ELE \O/, tão cute, cute, e fofinho >//////<, acho que de todos esse foi o que mais gostei, principalmente o fundo da área dos comentários *u*
      Agora sim estou de saída!
      Kiss

      Eliminar
    2. Ainda bem que gostou *----* Muahaha, sim, o nome dos meus animais ou de metade deles é bem bizarro. A metade bizarra chama-se Ninfa, Witch e Pokémon (as gatas) e uma das cadelas chama-se Didji, que vem de didjiridoo, um instrumento musical (não sei se é assim que se escreve, mas pelo menos é assim que se diz). A metade com nome normal chama-se Lua (a outra cadela) e as gatas são Mia, Branquinha e Memé. Nós demoramos sempre mais de uma semana a escolher os nomes, é muito difícil decidir um que toda a gente goste e que combine com o animal >.< Mas até acho que foram bem escolhidos.

      Esse hábito no brasil parece uma ótima ideia, aqui também já há quem faça isso, mas nem toda a gente - tal como disse no post, a maioria das pessoas prefere encarar a bicicleta como uma forma de passear ou de fazer desporto, e não como um transporte usável no dia a dia. Claro, sei que há casos em que é realmente longe para se ir de bicicleta, e em casos como o da sua mãe ou do seu pai não compensaria de maneira nenhuma, mas há pessoas a quem andar de bicicleta só traria vantagens.

      Quanto aos vizinhos, err... sim, alguns reclamam bastante, até porque os mesmos animais, além de muitos não são particularmente silenciosos (pelo menos durante o dia é difícil impedi-los de fazer barulho), mas como também não fazem mal a ninguém, os vizinhos vão tolerando. Além disso, no andar onde eu moro, até há algum tempo, as casas do lado estavam vazias, e portanto nós estamos aqui há mais tempo que os outros vizinhos, e eles fazem por não se chatear muito. Seja como for, nós fazemos os possíveis para que os nossos animais não incomodem ninguém.

      E é exatamente isso que eu vejo na mãe, uma pessoa que tem ideias mirabolantes e inovadoras, mas que ao mesmo tempo são praticáveis. Não é daquelas pessoas que só fala sobre como o mundo está cheio de defeitos e deve ser mudado, ela AGE de maneira a mudá-lo, seja com pequenos ou grandes passos. Talvez algumas pessoas julguem que não vale a pena ajudar porque não poderão fazer muito, mas se calhar, se fizerem o pouco que está ao seu alcance, já estão a mudar a realidade daquele animal/pessoa/whatever. Claro que, às vezes, já é tarde para fazer alguma coisa - como quando você e a sua prima encontraram o pássaro - mas pelo menos fizeram algo para verificar se ainda dava para ajudar. O pior são aquelas pessoas que andam por todo o lado como se os que as rodeasse não fizesse diferença nenhuma. Já outras situações podem dar resultado, como a cadelinha com que a sua tia ficou e agora está forte.

      E, embora não goste muito de generalizar, considero quase todos os padres ridículos. E como sempre, a ridicularidade, burrice e esse tipo de coisas divide-se em níveis: "não podia jogar futebol porque significava que estariam chutando a cabeça de Cristo". É o cúmulo! >.<

      A minha mãe também não participa oficialmente de instituições, como a sua, mas é até mesmo por aí que são heroínas anónimas. Aliás, não sabia que a sua mãe era assim e diga-lhe que acho essas atitudes dela admiráveis, já que eu fico sempre feliz quando vejo que a minha mãe faz tudo o que pode e deixa-me ainda mais feliz saber que há mais pessoas assim.

      Agora algo menos filosófico: acho engraçado como você repara em todos os detalhes da minha postagem, quem diria que você se daria ao trabalho de comentar até mesmo sobre o pingo doce ^^

      E por acaso, também gostei muito do layout :3 E esse fundo deu um trabalhão!

      Eliminar
  4. Cheguei a este blogue por partilhas que destacavam a parte desta publicação, em que relatas a experiência da tua mãe com a bicicleta, depois de deixar de utilizar o carro.
    De facto, é um excelente testemunho, não só por esta parte, mas por todo o conteúdo do texto em causa.
    Não sei ao certo que idade tens, mas considerando que te assumes como uma adolescente, só posso dar-te os parabéns pelo texto, que reflete reconhecimento, sensibilidade e maturidade, pouco usuais entre os mais jovens.
    Continua assim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem diria que a postagem seria tão repercurtida :) E obrigada pelo elogio, eu realmente gosto de valorizar tudo o que me rodeia e acredito que isso me ajuda a crescer como pessoa, e espero um dia - aliás, já o vou fazendo! - poder seguir os passos da minha mãe.

      Eliminar
  5. Olá :3, tudo bom ? Espero que sim !

    Cara, a melhor coisa de tu vivenciar, é ver ao vivo uma pessoa salvando algum animal, ou fazendo atitudes gentis para qualquer outro ser. Sabe o " Caderno de Inspirações " que eu disse que gostaria de ter num post anterior ? Então, são com esse tipos de coisas, que me fazem ter vontade de escrever em um caderno e colocar toda a minha opinião diante disto, que me fazem repensar sobre o mundo de hoje em dia.

    Se eu pudesse, eu iria trazer muitos animais abandonados, da rua aqui pra casa. Mas minha mãe não deixa ;-;, mas não é porque ela não quer ter mais algum animal, mas sim porque a gente não tem uma condição financeira muito boa para ficar cuidando de animais, então eu entendo isso. Teve uma vez que eu e minha amiga encontramos um filhote de passarinho na praça aqui do centro, onde muita gente vai. Ficamos lá um bom tempo decidindo se nós levaríamos ou não o passarinho, mas no final eu não trouxe ele pra casa ;-;, me arrependo até hoje ! Eu fiquei com medo da minha mãe não aceitar e tals eu trazer um passarinho...

    Cara, me deu um nojo desse padre !!! " ai é do demônio, ai isso, ai aquilo " Acho que o único demônio aqui é ele né ? Por estar julgando assim um animalzinho indefeso, sem contar da forma que ele agiu com sua mãe...Poxa e até policial ! Meu pai do céu...me dá um treco saber que existe esse tipo de gente...
    Eu já vi um vídeo na internet, de uns caras colocando FOGO num gato dentro de um balde !!!! OLHA O NÍVEL DE RETARDADISSE !!! Eu quase me traumatizei vendo aquilo, como pode existir gente tão idiota !? Olha, e se a pessoa não se arrependeu do que fez, então, merece morrer mesmo, desculpe eu estar falando isso, mas pra mim se não tem humanidade alguma, então que saia logo daqui de uma vez.

    Cara, e sua mãe parece ser uma deusa !! Parece aquelas protagonistas de mangás, que sempre estão pensando em fazer o bem. Seria tão bom se as pessoas fossem que nem ela ! Digo isso até se referindo para mim mesma...

    Enfim, ótima postagem ! É bom as vezes parar e pensar sobre como são as pessoas na atualidade.
    O que eu mais fico indignada é que tenha gente que riu da sua mãe pelas atitudes dela querendo salvar animaizinhos. Poxa, se acontecesse com um bichinho de estimação deles, ou com um filho, ou parente, coisas horríveis como acontece com animais, daí eles estariam chorando, preocupados...'-' O problema que pouca gente agora pensa no bem dos outros.

    Bye bye ! Até a próxima !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comigo, este também é o tipo de coisa que me inspira, e que adoraria escrever num caderno desses. E portanto sinto.me orgulhosa ao ter falado aqui da mãe (na verdade, era para pensar em mais pessoas de quem falar, mas quando comecei a pensar nela fiquei tão indecisa entre que exemplos escolher que ela acabou por se tornar o foco do post).

      Essa atitude da sua mãe é aceitável, aliás, acho que só a minha é que prefere fechar aos olhos à nossa condição financeira (que também não é nada boa) para ajudar os animais. Mesmo assim, agora já chegamos ao nosso limite, e já não podemos ajudar mais. Mas acredito que, se toda a gente abrigasse nem que fosse só um animal da rua - e acho que não é isso que arruinaria alguém - algumas pessoas não teriam de ficar com tantos.

      Acredito que muita gente passe pelo mesmo que você ou a sua amiga, essa indecisão entre levar ou não. Pelo menos você arrepende-se do que fez, e talvez da próxima vez tente fazer alguma coisa, enquanto que algumas pessoas simplesmente esquecem o assunto. Não digo necessariamente levá-lo para casa, mas pelo menos procurar por alguma associação ou veterinário que fique com ele, não deve ser assim tão difícil :)

      Sim, eu também considero esse padre um demónio, e por muito que deteste generalizar, eu tenho uma desconfiança infinita por padres. Mas se há realmente pessoas retardadas são essas que pegaram fogo ao gato. Que filhas da p*ta!!! Acho que ler isso foi das coisas que mais me deu raiva! E não se preocupe, eu também acho que essas pessoas deveriam morrer, se há alguma situação em que eu aprovaria pena de morte, é essa. Só não aprovaria se a pessoa, por algum milagre, mudasse ou se arrependesse muito, mas não acreditaria nisso apenas com palavras, teria de ser provado por atitudes E espontâneas! É quase como aquelas pessoas que querem destruir o mundo "pelo bem da humanidade". RIDÍCULAS! Não têm o direito de decidir pelos outros. Se a humanidade lhes está a fazer impressão, que se matem a si mesmas, porque ninguém sentirá a falta de terroristas assim.

      Haha, uma deusa não sei, mas eu considero-a mesmo uma heroína >.<

      E esse comentário final que você fez é muito relevante, acho extremamente idiota quem ri das boas atitudes dos outros, do esforço ou da bondade delas. Não apenas da minha mãe, claro. Ela é só um exemplo, mas apesar da raridade, acredito que ainda hajam várias pessoas capazes de fazer o bem. E o mais ridículo é precisamente o facto de que as pessoas que se riem agradeceriam imenso a pessoas como a minha mãe se ele fizesse algo por elas, pelos seus animais, filhos ou o que fosse.

      Jaa! Obrigada pelo seu comentário tão sincero ^^

      Eliminar
  6. A atitude da sua Mãe foi realmente muito interessante, eu já acho dificil andar de carro, já pensou de bicicleta?! haha


    Beijão, seguindo <3
    Aguardo sua visita: http://mash-upp.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    Sua mãe é mesmo uma mulher incrível. Aqui na minha cidade é impossível viver só de bicicleta porque as pessoas não são acostumadas com bicicletas a andar por aí e um acidente é bem possível.
    Também tenho muito amor pelos animais. Como aqui o inverno não castiga, cães e gatos podem viver normalmente nas ruas. É bem comum por aqui... Aparentemente, não é o é por aí, ou é? Tenho quatro cães e todos são adotados... Tinha mais, mas foram morrendo com o passar dos anos. :C
    Tenho um amor muito grande por animais e, se tivesse condições, faria algo a mais para cuidar dos que estão sem família da melhor forma possível... Com comida, veterinários, castração, treinamento e possível adoção por outra família. É um dos meus sonhos. Talvez não consiga fazer tanto, mas se eu conseguir ajudar alguém que já tem esses projetos, já é um começo.
    Sua mãe é realmente uma mulher de se admirar. Poucas pessoas abririam mão do conforto de um carro ou se levantariam contra um padre (aliás, esse cara é o cúmulo da idiotice). Que a vida dela inspire mais pessoas!
    Abraços~

    ~ Nankin Dust

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que, em alguns lugares, andar de bicicleta é muito difícil. Portugal não está tão lotado quanto o brasil (pelo que sei), e em algumas zonas temos até caminhos próprios para as bicicletas andarem. Além disso, na Holanda, a cidade está pensada de modo a facilitar que TODA a gente, independentemente da idade, ande de bicicleta. É absurdo como os vários países investem em coisas tão distintas.

      Bem, aqui o inverno é um bocado mais duro, e há muitos animais que morrem de frio enquanto dura. Há bastantes animais que vivem na rua, sim, mas quando se adota, passam a viver em casa, como o caso de todos os meus. Já tive outros gatos que também morreram com a idade, mas como aparecem sempre mais animais, não dá sequer tempo para ficar triste :)

      E... Esse seu projeto é lindo. Mas, embora tratar dos animais em condições ideais, a nível de alimentação, saúde, castração e tudo isso, quando se quer ajudar MUITOS animais e as condições financeiras são poucas (o meu caso), temos de nos contentar com o básico: comida, abrigo, e só levá-los ao veterinário se estiverem mesmo a sofrer. Se não, gastaríamos tanto dinheiro com um só deles que não poderíamos dar a tantos outros a oportunidade de continuar a viver. E mesmo assim, são muito felizes. É uma pena o mundo não ser ideal, e eu tenho a certeza de que você sabe disso - e eu fiz este post com o intuito de incentivar as pessoas a fazer sempre o que estiver ao seu alcance.

      Obrigada. Fico contente por ter uma mãe tão inspiradora ^^

      Eliminar
  8. Realmente essas coisas são muito tocantes. Não vou ser uma pessoa que só diz, que é lindo não. Tenho que ajudar tambem. Minha irmã já pegou uma cadelinha que mal conseguia andar porque estava enjaulada. Foi realmente emocionante, quase choro aqui. Procuro não lembrar muito dessas coisas porque.. Porque.... acho que já tem ideia né??? Essas imagens realmente ajudam muito. Mas acho que algumas pessoas não pegam a mensagem. Eu sempre peguei. Sério, não sou aquela garota que fica com nojo de cão de rua não, eu até já dei carinho... Animais são exemplos muito dificies de seguir. E não sao nada dementes. Gente que maltrata não tem miolo na cabeça não. Sei lá o que passa na mente dessas pessoas. Bem, estou seguindo o blog, virei fã, se puder retribua ficarei grata +3+
    Kissus da Isa
    By || Doce bunny ||

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, há pessoas que admiram muito o que foi feito e consideram inspirador, bonito,... mas depois, continuarão a sua vida sem olhar para os lados, sem fazer o que está ao alcance delas para ajudar, como se a mensagem deste post não lhes tivesse chegado ao cérebro. Têm a cabeça assim tão dura? Fico contente por você não ser assim, por compreender a diferença que faz ajudar os animais, as pessoas, seja lá o que for. Aliás, essa atitude da sua irmã foi LINDA. E já retribuí, acabei de seguir o seu blog :)

      Eliminar

♡ Saiba mais sobre o mim ou sobre o blog através do menu

♡ Quanto a comentários:
» Os pedidos são aceites nos comentários ou na ask (vejam o menu)
» Críticas construtivas são bem vindas. Barracos, não.
» “Seguindo, segue de volta?”, só serão aceites em blogs principiantes – e eu irei confirmar ao blog. Caso contrário será ignorado.
» Deixe o link do seu blog no fim do comentário e eu faço questão de pelo menos visitar e comentar.
» Pode usar estas carinhas:
=((•̪●))= ๑(•ิ.•ั)๑ ٩(●̮̮̃•̃)۶ ε(●̮̮̃•̃)з ٩(×̯×)۶̿ ┌∩┐(◣_◢)┌∩┐ ⊙▂⊙ ⊙0⊙ ⊙︿⊙ ⊙ω⊙ ⊙▽⊙ ⊙﹏⊙ ⊙△⊙ ◑▽◐ ◑ω◐ ◑﹏◐ ●︿● ●ω● ●﹏● ≧▂≦ ≧︿≦ ≧ω≦ ≧﹏≦ ≧▽≦ >︿< >ω< >﹏< >▽< ≡(▔﹏▔)≡ (¯▽¯;) <(“”"O”"”)> (-__-)b (;°○° ) \( ̄︶ ̄)> <( ̄︶ ̄)/ (/≧▽≦/) \(≧3≦)/ \(≧ω≦)/ o(≧ω≦)o o(≧o≦)o ㄟ(≧◇≦)ㄏ ╮(╯▽╰)╭ ╮( ̄▽ ̄)╭ (~o ̄▽ ̄)~o ~ 。。。(~ ̄▽ ̄)~[] (╯-╰)/ (*^3^) 'U_U ♪ ♥ ஐ ▲☼゚ ♣ (๏̯͡๏) †