janeiro 14, 2013

Texto escolar - Marinheiro nos Descobrimentos


Olá, sei que é a segunda postagem do dia (Gomen). Mas eu tive de escrever uma composição para português e como gostei do resultado, decidi compartilhar com vocês :) Antes de mais, falando do tema:

  • Tenho de escrever uma página do diário;
  • Sou um marinheiro na Armada de Vasco da Gama, numa viagem do caminho marítimo para a Índia;
  • Passa-se em 1497 / 98, na época dos Descobrimentos portugueses;
  • Nas primeiras tentativas de viagem, os marinheiros viajaram perto da costa e por isso as correntes mandaram-nos contra o penhasco. A viagem só teve sucesso quando decidiram navegar longe da costa e, portanto, das correntes. Estou numa dessas viagens.
  • Limite entre 180 e 240 palavras.
Ok, o texto começa aqui:



9 de Fevereiro de 1497

Querido diário…

   Já há dois dias que não se vê a costa de África e provavelmente não a verei em breve. Acredito que a ideia de nos afastarmos das correntes seja indicada, tendo em conta que os barcos que não o fizeram se estilhaçaram nos penhascos. Mas mesmo assim, é assustador estar no meio do nada. Espero que o capitão Vasco da Gama não deixe que os peixes nos devorem as entranhas…

   É um bom capitão, e um bom homem. Daqueles que sabe falar de piedade e compaixão sem vomitar as tripas de riso. Os meus camaradas também não são maus tipos, mas estão demasiado eufóricos com a perspectiva de aumentarem a sua reputação para contarem histórias às mulheres e aos filhos. Comer sempre a mesma coisa, dormitar no porão… Isso não é vida para ninguém!

   Confesso que não é isso que me preocupa. Eu também gosto de aventuras. O problema é que podemos morrer todos, a qualquer momento, sem tempo para nos prepararmos ou despedirmos. Sem que ninguém saiba da nossa morte. Só sairemos daqui sem ser engolidos por nenhum monstro se os Deuses quiserem. Até ao momento em que coloquei um pé na prancha, sempre julguei que fosse uma coisa que só acontecesse aos outros. Mas é real…

   Que ardam os medos! Eu só quero dar a Índia a Portugal, e pagarei qualquer preço.

   Mesmo sendo triste morrer só…
Anilyan


Espero que tenham gostado :) É só um textinho escolar... Arigatou pela atenção.

Sem comentários:

Enviar um comentário

♡ Saiba mais sobre o mim ou sobre o blog através do menu

♡ Quanto a comentários:
» Os pedidos são aceites nos comentários ou na ask (vejam o menu)
» Críticas construtivas são bem vindas. Barracos, não.
» “Seguindo, segue de volta?”, só serão aceites em blogs principiantes – e eu irei confirmar ao blog. Caso contrário será ignorado.
» Deixe o link do seu blog no fim do comentário e eu faço questão de pelo menos visitar e comentar.
» Pode usar estas carinhas:
=((•̪●))= ๑(•ิ.•ั)๑ ٩(●̮̮̃•̃)۶ ε(●̮̮̃•̃)з ٩(×̯×)۶̿ ┌∩┐(◣_◢)┌∩┐ ⊙▂⊙ ⊙0⊙ ⊙︿⊙ ⊙ω⊙ ⊙▽⊙ ⊙﹏⊙ ⊙△⊙ ◑▽◐ ◑ω◐ ◑﹏◐ ●︿● ●ω● ●﹏● ≧▂≦ ≧︿≦ ≧ω≦ ≧﹏≦ ≧▽≦ >︿< >ω< >﹏< >▽< ≡(▔﹏▔)≡ (¯▽¯;) <(“”"O”"”)> (-__-)b (;°○° ) \( ̄︶ ̄)> <( ̄︶ ̄)/ (/≧▽≦/) \(≧3≦)/ \(≧ω≦)/ o(≧ω≦)o o(≧o≦)o ㄟ(≧◇≦)ㄏ ╮(╯▽╰)╭ ╮( ̄▽ ̄)╭ (~o ̄▽ ̄)~o ~ 。。。(~ ̄▽ ̄)~[] (╯-╰)/ (*^3^) 'U_U ♪ ♥ ஐ ▲☼゚ ♣ (๏̯͡๏) †